Monday, November 14, 2016

GREAT NEWS/ BOAS NOVAS.

Hello guys,  I really hope you guys have been enjoying the space. It's been here for more than 10 YEARS now, and it's been visited by more than 1 MILLION people during this time. Another great achievement is that we have,as we speak, more than 200.000 REGULAR READERS.  But now, we are going on your  but now, we're going a bit further: next week I'll start my YouTube channel, which will make easier for all of you to start understanding how today's financial world is operating. Of course we'll keep talking about everything at the same spot: culture, sports and geopolitical issues, all linked in a very different way between each other. And know what? ALL videos and materials published at the YouTube channel will be available to you HERE as well. Isn't it great? So....hop in, buckle up and step on the information and knowledge  highway!
LL.

 Alô moçada, eu espero que vocês estejam aproveitando bastante este espaço,que já tem mais de 10 anos. Nesse tempo, tivemos no individual, mais de 1 milhão de visitantes e mais de 200 MIL leitores regulares.Mas agora nós vamos passar para o próximo capítulo: estaremos inaugurando nessas próximas semanas um canal no YouTube. Um canal que terá as mesmas características aqui deste espaço.: Cultura, mercado financeiro,  já política e economia no mesmo espaço, interagindo de forma diferenciada especial. Mas não sei se assustem: todos os vídeos materiais publicados no canal do YouTube estarão aqui disponível imediatamente para que vocês possam interagir da maneira que mais lhe agradem. Isso  não é ótimo? então bem-vindos a bordo,coloquem o cinto de segurança,e pisem fundo na estrada do conhecimento!
LL

Friday, June 24, 2016

WHAT'S NEXT FOR BRITAIN?

The votes are in. And the result is a political earthquake. But what does it mean for the economy? What does Britain leaving the European Union mean for our prosperity, our standard of living, the opportunities for our children? The answer is that it is impossible to say with any uncertainty. 
Why? Because so much depends on the skill and nerve of our policymakers in the hours ahead, the actions of our political leaders in the months and years to come, the decisions of political leaders in Europe, and the behaviour of myriad foreign investors and companies. In the short-term there is a danger of financial panic. Sterling is falling through the floor. We have a current account deficit (the difference between aggregate national spending and income) of around 7 per cent of GDP. That’s something that implies the pound could fall a very long way indeed. If the currency does not stabilise, domestic inflation could explode, forcing the Bank of England to raise interest rates and pushing us into a recession, which will cost jobs, reduce incomes and damage millions of Britons' living standards.
A rout of the pound could also conceivably set off a run on UK financial institutions, which have trillions of pounds of sterling liabilities. The Bank of England’s primary responsibility over the next few hours is to stabilise the currency and financial markets. Expect a statement very soon from Threadneedle Street promising to provide financial institutions with all the short-term sterling “liquidity” they need. The European Central Bank, the US Federal Reserve and other major central banks around the world are also likely to make similar pledges to provide banks and other large financial institutions around the world with all the short-term lending they may require. Brexit is a global financial threat.
But even if financial panic is averted, the peril of recession for Britain itself still looms very large.Companies had been holding back investment until the referendum result was known. Will they spend now? Or will those projects simply be cancelled? If company share prices are crushed in the coming days, as many expect in the wake of this Brexit vote, firms may well cancel them. If so, our national output will suffer immediately. There is a danger that consumers – who have been driving the recovery since 2013 – retrench too in the wake of this vote, pushing us into recession again.
The Bank of England could cut interest rates to support demand and encourage borrowing and restart its printing presses. But if the pound drops excessively the Bank’s Monetary Policy Committee may feel it has no choice but to raise rates to support sterling. That would push up the mortgage costs of millions of homeowners.
During the campaign George Osborne held out the prospect of a tax-raising, spending cutting emergency budget in the wake of a leave vote in order to keep to his target of returning the government’s budget to balance by 2020.
Such austerity would pile on the recessionary pressure too. But Osborne might not be Chancellor for very much longer. And his successor might decide to adopt a traditional Keynesian response to a recessionary threat by allowing state borrowing to rise, or even increasing spending with a deliberate stimulus. But then again he or she might not. 
Then there is the medium/long-term. The fate of large swaths of our economy – our banks, our car manufacturers, our farmers to name but three – hang in the balance. Their fate will hinge on the nature of the trade deal that our political leaders (very probably new leaders) reach with the rest of the European Union in the coming years as the terms of the Brexit divorce are negotiated.
Will the rest of the European Union be willing to strike a quick and favourable deal with Britain after this repudiation? Their own economic interest may push them down this route – they export a great deal to the UK. But their political interest – dissuading other states from leaving the EU – may push them in a different, less amenable, direction.The medium and long-term outlook also depends on the nature of any trade arrangements our leaders forge with the rest of the world. Was Barack Obama really bluffing when he said the UK would be “at the back of the queue” when negotiating a trade deal with the US, the world’s largest economy?
Be in no doubt about how much this matters. In the absence of such trade deals our companies could face damaging tariffs when exporting their goods and services. That would hurt their profits, forcing them to hold down wages paid here in Britain and also cutting jobs.The consensus of independent economic experts on the long-term impact of Brexit prior to the vote was clear: it was going to hurt. The only question was how much. Now we are going to find out the answer to that question.

Tuesday, May 3, 2016

A PRAGA DOS HATERS.

A PRAGA DOS HATERS". 
Nunca topei com eles, e se topei, ignorei. Mas A era moderna nos trouxe os "haters", gente que critica sem fundamento, que caluniam,e apontam dedos em julgamento sobre a vida alheia. Eu só queria saber: QUEM de nós somos perfeitos para julgar quem quer que seja? Se o modo de viver/pensar/agir de alguém não afeta a estes seres pequenos de alma,chega-se à conclusão de que isso NÃO É da conta de ninguém. Os haters deviam caçar o que fazer de suas vidas. São uns bobos alegres que Merecem ser ignorados.
Como pode alguém preocupar-se tanto com a vida alheia? Eu queria entender. Mas há pistas: inveja, frustração e falta de ação pridutiva. Enquanto eles falam e caluniam, as pessoas que fazem continuam a andar para frente. 

Thursday, April 7, 2016

DAMIEN MC BRIDE: is The next financial crisis at the door?

Five months ago this week, I invited some good-natured mockery by warning people that the only way to survive the looming economic crisiswas to take a large notepad and go and watch The Revenant. We’d all be living in the wilderness soon enough, so it was time to learn how.
Well I didn’t go quite that far, but I did state my profound belief that this crash would be much worse than the 2008 banking crisis, and – given how close we came to the collapse of the financial system then – it’s a reasonable fear that we won’t get so lucky twice.
Back in August, the Chinese government and the US Federal Reserve combined to kick the can down the road, as they have done many times before. But now here we are again, the can looks more like a boulder, and even George Osborne has joined the chorus warning of risks ahead.
Whether or not a crash is imminent – let alone one on the scale I fear – remains deeply uncertain, but the one assumption I have up to this point considered safe is that the beneficiaries in political terms would be on the left.


My reasoning was that if – for the second time in a decade – the economy crashes because of loose lending, bad investment and laissez-faire government, the capitalist model that survived the 2008 crash unscathed would finally be ripe for upheaval. In that case, I believed, Jeremy Corbyn, Bernie Sanders and other leftist candidates around the world might get the mainstream hearing they are currently denied.
Now I’m not so sure.
When I look at the US voices who have shouted longest, loudest and most persuasively about the current economic bubble – from young market analysts such as Jesse Colombo to old hands such as David Stockman, as well as politicians such as Ron Paul and Donald Trump who have jumped on their bandwagon – they could not be further from the left.
In their minds, what we are seeing now is not a further repudiation of the capitalist economic model, but proof of what happens when market forces are not allowed to operate freely, and where governments and central banks see it as their role to prop up markets and keep the bubbles growing. In other words, if we’d stuck to libertarian, free-market, sink-or-swim economic fundamentals, with a dash of isolationism thrown in, none of this would be happening.
And it follows that the very last response to any crash should be more of what they depict as the state-controlled, debt-fuelled pump-priming of the economy that has got us into this mess. No wonder Trump wants the bubble to burst before November. How he would relish depicting Hillary Clinton as the status quo candidate in those circumstances.


In Britain, Corbyn’s ability to capitalise on a new crisis should in theory be easier. Against a government that has fetishised austerity, relaxed controls on the banks, and bet the farm on continued Chinese prosperity, Labour’s alternative must surely appeal.
But what if the Tory right beats him to it? After all, if a crash does occur, Theresa May and Boris Johnson will need to differentiate themselves quickly from George Osborne’s economic policies, so why not follow the lead of their American colleagues and start now?
In 2008, given the scale of the crisis the world faced, no one could sensibly have argued against the case for government intervention and stronger curbs on the banking system.
Next time round, the debate will be very different. Will everything be blamed on the excesses of the market, or the market not operating freely enough? Will the answer be an even bigger role for government, or government learning its lesson and getting out of the way?
Who wins those debates will have a huge impact on how people vote at the next elections in the US and Britain, and whether we lurch to the left or the right.

Saturday, April 2, 2016

UMA CHANCE DE OURO, OU NÃO

UMA CHANCE DE OURO, OU NÃO.
Dia desses participei de um debate aqui em Londres na London School of Economics, onde estudei. E o que disse foi:
Este mês de abril será fundamental e de suma importância para o futuro econômico e político do sistema brasileiro.Todos sabem que eu não tenho vínculo partidário no momento, e nem poderia ser diferente dada a atual situação. Não participo de infantilidades vazias, que aponta o dedo para este ou aquele, em relação a sua filiação partidária. Isso é simplório e sinal de pouco conhecimento político/ social.
Analiso cada acontecimento de maneira global e seguindo uma regra básica: quero culpados punidos e inocentes, caso hajam,absolvidos. Quero o que for o melhor para o BRASIL, não para agradar a este ou aquele partido/interesse/projeto.

Quando, em janeiro de 2014 eu falei sobre como o cenário se desdobraria em 2015/16/17, alguns amigos duvidaram. Pois bem: aconteceu até além do que eu previra.
Agora, vejo um Cenário futuro que dependerá  muito do que sobrar desta caixa de pandora.
Acredito em uma economia melhor em 2017, caso toda a crise política seja digerida e que daí saiam novas perspectivas e lideranças capazes de nos levar a um rumo sólido e firme na direção de uma economia forte, aberta e estruturada para atender à demanda interna e externa. O Brasil será SIM uma potência global. Isso é dado como certo por todos os gurus da economia com quem tenho  conversado aqui no exterior. Mas isso só se dará quando esta polarização passar, quando esta divisão sem propósito passar, quando a escória política deixar de ser eleita por voto de cabresto ideológico ou coronelismo arcaico. A hora da mudança é ESSA. Este é o melhor momento para iniciarmos a depuração de nossa sociedade, para que em breve as oportunidades sejam para todos, e que a meritocracia seja o leme firme de nosso alicerce enquanto nação. Se iremos aproveitar esta oportunidade ou sucumbiremos às discussões mesquinhas e à divisão simplista de "nós e eles", de "petista ou coxinha", só o tempo e a ciranda da sorte/competência poderão dizer.
Até.
Twitter: @leonardoleoreal

Thursday, March 17, 2016

ECOSSISTEMA DA CRISE, UMA FÁBULA.

ECOSSISTEMA DA CRISE, UMA FÁBULA.
O presunto está na mesa batendo aquele papo com o queijo branco:
-cadê a manteiga? Não apareceu aqui hoje....também pudera né? Se envolveu com o lado ruim, o salame e a mortadela! Só porque a mortadela fez uma revolução nas mesas país afora?, essa mortadela não me engana! "  o queijo branco, alvo como ele só, acima de todas essas pequenas trivialidades, tenta maneirar: -que isso, presunto! Você só chegou às mesas menos ricas por causa do que a mortadela fez! Vai negar? Se não fosse a mortadela, nem tu nem eu faríamos parte de tantos lares humildes! Então entra no papo o requeijão, a elite, o cremoso e gostoso: "eu vou falar com a vaca...o supremo poder. Porque quase todos nós viemos dela. Eu, o leite, você manteiga...o chato do queijo amarelo....o cottage está de férias na Europa. Também pudera! Esse só em mesas da elite! Tem aposentadoria boa...igual a Ricota, aquela trampeira...vive na America!.
Nessa hora chega um emissário a mesa: o Café. Este pode falar com autoridade. Este é do povo....presente nos botecos, nas esquinas de todo esse país de gente feliz e de cor bronzeada, gente bonita. E ele chega botando banca:
-Andei por aí, da ponta do sul à ultima mesa do cariri....e vi o povão falando de tudo: é duro ver a vaca dizer que não sabe....e o pior é que a insatisfação está se espalhando....como eu apareço em várias mesas ao longo do dia, eu já vi que espalhou para o almoço, o lanche da tarde, do qual só a manteiga me acompanha com o pão, que é surdo, cego e mudo, e que não conta. Eu acho que os legumes e toda a dispensa vão às ruas. Falei com a batata...ih...olha um pedaço de mamão ali na ponta da mesa! Corre lá, pergunta pra ele como é que tá a situação na fruteira!....sei não...diz o café. Esse aí é playboy....coisa de zona sul...Ipanema, Morumbi,lago sul....confio não...mas vou lá.
Ô mamão, tá dando ruim lá? Pergunta o café. - cara....brother, as gatas de suplex que vinham me dar mole sumiram! Como eu tenho saudade de estar naqueles corpos maravilhosos...e as madames de 45? Cheirosas...nunca mais. E é tudo culpa dele, do chefão....as carnes, que são o poder central, estão acuadas....óbvio que os legumes e vegetais são os marias vão com as outras...
E então a Banana aparece, andando de viés na beirada da fruteira e grita: É HORA. TIRAR O CHEFE! O filet MIGNON tem que cair! Cheguei ao limite! Fora o poder das carnes! O ministério só tem carnes vermelhas!! Sempre eles! Vamos fazer manifestação? Completa a banana.
Vamos! Diz o açúcar, até então só escutando. Vamos nos encontar no corredor principal do hipermercado. Vamos organizar um "mercadaço" em todo o país! Ao meio dia, quando as donas de casa estiverem por lá, a gente faz a derrubada, caimos uns sobre os outros, e vamos chegar até o açougue! Ao centro do poder!
-esse açúcar sabe das coisas...tão doce, tão gostoso...mas enganou a gente direitinho! Ele é cruel!, diz a geléia diet...sempre tão feliz.
-sou doce mas faço estrago de dentro pra fora...você ainda não viu nada! Você é diet, é light "cool"demais...vai se enroscar com o magrelo do cream cracker....gringo azedo ele.
Bom, continua o açúcar: vamos caindo até chegar ao açougue....os refrigerantes, apesar de falsos, sao pesados e podem cair matando!...aí pegamos o FILÉ, o boss, o chefão. Só que temos que convencer o aliado dele a trair o safado. Quem? Pergunta o mamão. O SAL GROSSO!, diz o açúcar. -esse é osso duro...mas não aguenta mais...tem sido usado em tantos banhos país afora que está frafo, cansado demais para defender as carnes. O chefe não pode mais fugir....a revolta dominou todo o ecossistema.... Sem o apoio da vice PICANHA, das carnes de segundo escalão, e de nós, os legumes, verduras, sucos, frutas, laticinios, etc...ele não se sustenta!

É hora da revolução vegetariana! (Diz o brocolli, à essa altura todos conversando dentro da geladeira, para não vazar para o freezer!) - é hora de um mix de gêneros: salada de fruta, vegetais, grãos, etc. MENOS AS CARNES VERMELHAS!
Diz a alface. APOIADA! Dizem todos os grupos. Vamos extirpar esse mal dessas mesas! Afinal, somos todos saudáveis, santos....só fazemos o bem, não é mesmo? Somos inocentes eternos! ,diz o feijão. Humm, sei não....esse açúcar aí, esse presunto....acho que a farinha vai ser a mesma canalha de sempre...
Ihhh....começará tudo outra vez....NÃOOO! PUTZ!! Finalizam  o arroz, feijão e o ovo.

Thursday, February 11, 2016

A TERCEIRA ONDA-Entenda porque.





O repórter financeiro da Bloomberg Bob Ivry escreveu um novo livro de entretenimento, “Os Sete Pecados de Wall Street”, que, ao invés de requentar as várias atividades ilegais que desencadearam a crise financeira, concentra-se naquilo que os bancos vêm fazendo desde a crise. 

Muita coisa seria familiar aos leitores deste espaço: os delatores do Banco da América, que, instruídos a mentir a proprietários de imóveis, receberam de presente cartões de bônus para empurrá-los à execução da hipoteca; o comércio de derivativos da London Whale, que levou o JPMorgan Chase a perder mais de 6 bilhões de dólares; os bancos de investimento que negociavam commodities ao mesmo tempo em que operavam armazéns e outras instalações de commodities; e mais. Ao mesmo tempo, grande bancos continuam a gozar de subsídios sobre seus custos de empréstimo por causa da (precisa) percepção de que, na eventualidade de qualquer encrenca, serão socorridos.



Tudo indica que o problema irá se colocar em breve.

A citação de abertura do livro de Ivry é um diálogo entre Jamie Dimon e a filha: “'Pai, o que é uma crise financeira?' Sem tentar ser engraçado, eu disse: 'É algo que acontece a cada cinco a sete anos'.” Uma rápida olhada no calendário mostra que estamos a quase seis anos do estouro da bolha imobiliária e queda do Lehman Brothers.

Estaríamos então no precipício de outra crise financeira? E como seria ela?
O perigo ainda espreita o mercado hipotecário, com certeza. O mais recente esquema fique-rico-rápido, em que empresas de private equity compram propriedades hipotecadas para alugá-las, e em seguida vender títulos lastreados nos fluxos de receita do aluguel (o que parece, de modo suspeito, com os títulos lastreados por pagamentos de hipoteca, uma das causas da última crise), tem o potencial de explodir.

E contínuas peripécias com documentos de hipoteca podem levar a grandes dores de cabeça. Um novo processo judicial contra a Wells Fargo revelou uma bomba: um manual passo-a-passo dirigido a advogados sobre como falsificar, sob demanda, papéis de execução de hipoteca, que poderiam colocar em dúvida a verdadeira propriedade de milhões de casas. Até mesmo hipotecas subprime estão voltando – afinal, o que poderia dar errado?

Entretanto, nesta era de mercado imobiliário bancado pelo governo, novas hipotecas aconteceram aos montes sob Fannie Mae e Freddie Mac, que os gigantes das hipotecas têm examinado diligentemente, em busca de defeitos. O resultado é que as hipotecas originadas em 2013 têm tido, de fato, um bom desempenho. Profissionais da área dizem que isso leva a um crédito "mais apertado", o pode também ser chamado de crédito "mais seguro", sem os truques e armadilhas que predaram americanos de baixa renda na última década. A legislação proposta para eliminar Fannie e Freddie poderia mudar isso dramaticamente e nos levar de volta ao show do Faroeste. Contudo, no momento o risco financeiro pode estar localizado, não nas hipotecas, mas em outro lugar.

Isso não quer dizer que as empresas de Wall Street têm sido bem comportadas. O risco é apenas mais difícil de ver, e não se pode olhar só para os bancos. 

Na verdade, os bancos reduziram sua participação em muitas atividades bancárias normais, deixando coisas tipo empréstimos a pequenas empresas na mão do sistema bancário paralelo. 

Esta é a denominação genérica para os fundos de hedge, empresas de private equity e os negócios labirínticos que eles iniciaram para movimentar dinheiro. Tais empresas, menos reguladas, aumentaram seus negócios em 60% nos últimos cinco anos, avançando compulsivamente em empréstimos subprime a empresas que normalmente não conseguiriam crédito. 
Empréstimos alavancados de forma não tradicional, emitidos para empresas que acabam endividadas, têm menos proteção aos credores e muito mais risco.

De modo geral, os credores vendem esses empréstimos nos mercados financeiros, ali onde anos de juros ultrabaixos levaram investidores a fazer qualquer negócio que lhes dê mais de dinheiro. 

Assim, temos visto uma explosão em títulos de alto risco, investimentos especulativos em empresas de risco com alto retorno. Tal como aconteceu com as hipotecas subprime, esses títulos de alto risco apresentam subscrição de má qualidade, com dinheiro entregue a empresas que não deveriam, de forma alguma, obter injeção de dinheiro. Quer montar um restaurante vegan numa fazenda de gado? Uma loja de lingerie num convento? Não tem problema, o sistema bancário sombra vai financiar você! 

O mercado de títulos junk dobrou para quase 2 trilhões desde 2009, levando à saída dos investidores mais cautelosos, desconfiados de que o mercado poderia se transformar rapidamente. 
Se as perdas aumentam e alguns dos maiores bancos-sombra tomam uma invertida, o fato de permanecerem tão interligados ao setor bancário tradicional, faz com que o risco possa se espalhar.

Os reguladores têm exibido uma vaga consciência desses pontos cegos, embora talvez seja tarde demais. Ações recentes do Federal Reserve sugerem que eles estão pensando em se proteger contra a instabilidade financeira, em meio à preocupação de que taxas de juros microscópicas e balanços expandidos alimentaram a especulação. 

Além disso, a Securities and Exchange Commission (SEC) passou recentemente a olhar para os empréstimos alavancados que foram empacotados em títulos conhecidos como Obrigações de Empréstimo com Garantia Real, ou CLO. Estes CLO são negociados de forma privada entre compradores e vendedores, razão pela qual os reguladores não podem discernir se escondem riscos ou os vendedores enganam os compradores sobre os preços. Alguns deles são CLO "sintéticos" – derivados que são basicamente apostas sobre se os empréstimos subjacentes vão para cima ou para baixo, sem qualquer participação nos próprios empréstimos. 

Recentemente, os bancos comerciais têm tentado obter para os CLO isenção da regra Volcker, a proibição de negociação com os fundos dos depositantes. 

A emissão de CLO disparou com o impulso desse lobby, e ele poderia ser a próxima artéria de Wall Street para a jogatina.

Contudo, se a SEC irá realmente aplicar leis de segurança nos CLOs e levá-los para fora das sombras, ainda não se sabe. Se a história recente é um guia, a fiscalização de derivativos sombra e fixação de preços deveria acabar com acordos desse tipo, e exigir uma verdadeira prestação de contas. 

Enquanto isso, somos informados de que a economia tem pouco a temer de grandes falências bancárias. O Federal Reserve divulgou recentemente os resultados de testes de estresse nos 30 maiores bancos, e afirma que 29 deles iriam se segurar em caso de recessão profunda. Mas os testes de estresse, projetados pelos próprios bancos a ser testados em conjunto com o Fed, não medem de fato a realidade de uma crise financeira - se o fizessem, todos os bancos todos fracassariam.

Em síntese, ainda não sabemos exatamente aonde a próxima crise financeira vai surgir. Mas sabemos como as condições para futuras crises são preparadas. Quando a aplicação da lei não consegue processar Wall Street por delitos anteriores, não há nenhuma razão para que eles moderem seu comportamento. Como disse recentemente o chefe do Departamento de Serviços Financeiros de Nova York, Ben Lawsky: "Há maçãs podres nas grandes instituições que estão tentando avançar nos limites. Se eles acham que não vão sofrer grandes consequências, continuarão fazendo isso."
Do mesmo modo, o poder e o tamanho das maiores instituições financeiras, que fizeram apenas crescer desde a crise, praticamente garantem impunidade. 

O Congresso e a Casa Branca ainda não se mexeram para cortar a dimensão desses monstros; o resultado é que suas estruturas corporativas se alastram e os torna quase praticamente indomáveis ao controle de riscos indevidos. 

É revelador e triste que tenha demorado até as últimas semanas para os principais reguladores considerarem, publicamente, se Wall Street tem uma cultura de corrupção. Os sete pecados que Bob Ivry documenta em seu novo livro são praticamente uma descrição de um setor financeiro que deseja fazer lucros rápidos, ignorando coisas desagradáveis, tais como regras ou a vida das pessoas comuns, e descartando risco como batata quente. Vimos em 2008 que isso nos coloca a todos em perigo.




Tuesday, January 26, 2016

RECEITA VELHA

O MAL DO BRASIL? A nova e a velha classe média "careta".

Sempre que perguntada, a maioria da população brasileira tem se manifestado contra a liberação de varias coisas e a favor da pena de morte e da maioridade penal aos 16 anos. Sem duvida são posições conservadoras, ou "de direita", como se diz.
E,no entanto, são esses que elegem os governos e as maiorias parlamentares ditas "de esquerda" hoje no Brasil. Como harmonizar o conservadorismo na vida real com o progressismo na política ?

Talvez Tim Maia tivesse razão quando dizia que, "no Brasil, não só as putas gozam, os cafetões são ciumentos e os traficantes são viciados, os pobres são de direita". Uma ingratidão com a esquerda que lhes dá o melhor de si e luta pelo seu bem-estar. Mas tanto a maioria dos velhos pobres como dos novos, da antiga classe média careta e da nova mais careta ainda, e, claro, as elites, acreditam em Deus, na família e nos valores tradicionais, e rejeitam ideias progressistas. Discutir, apenas discutir as suas crenças, é considerado suicídio eleitoral.

Quando Abraham Lincoln, em 1862, promulgou a Homestead Law, a lei da reforma agrária nos Estados Unidos, assegurando a cada cidadão o direito de requerer uma propriedade de até 4 mil metros quadrados de terra do Estado, pagando 1 dólar e 25 centavos, criou milhões de pequenos proprietários rurais — que deram origem às grandes maiorias conservadoras de hoje, que ganharam sua bolsa-terra e não querem mudar mais nada. Uma ação politicamente progressista gerou milhões de novos reacionários.

Um século e meio depois, no Brasil, a nossa "nova classe média", que tem casa, carro, crédito, viaja de avião, e é eleitoralmente decisiva, parece ser ainda mais conservadora do que a "velha". A ascensão social exige segurança e instituições sólidas, quer conservar o que conquistou e reage a mudanças que ameacem suas conquistas. Como Tim Maia, querem sossego.

Então por que não param de falar em esquerda e direita como se fosse de futebol e tentam entender o que está acontecendo? Como disse o ex-comunista Ferreira Gullar, "no meu tempo ser de esquerda dava cadeia, hoje dá emprego". É preciso entender que o mais importante é o país ser mais igualitário e justo. E que as oportunidades sejam para TODOS.