Wednesday, June 15, 2011

Delirios sobre o Leblon em uma noite Londrina

Sempre quis morar no Leblon.
Desde garoto, me deliciava com a idéia que o bairro me passava, uma coisa carioca aristocratica e e de boemia ao mesmo tempo.Enchi muito o saco de meus pais para mudarmos, sem sucesso.
Mais velho,alí pelos 18, já era frequentador habitué do lugar e sempre me senti mais "carioca" no Leblon.Como decidi ser musico e fui para uma outra historia de amor(Los Angeles),o projeto de viver no bairro ficou de lado.Ledo engano.

Mesmo em LA, e assim por toda minha vida até hoje,sempre que a barra pesa ou algum tedio visita,eu sento em um ambiente de meia-luz e ,lentamente começo a visualizar as ruas e uma ficticia varanda na Delfim Moreira, e nessa hora evoco os versos de "morro dois irmãos" do Chico,que muito provavelmente os escreveu ou pensou neles ao ver o morro ali, da Delfim, com um cheiro de maresia, lá pelo meio da madruga, tragando um cigarro ou bebendo um scotch...

E basta eu criar essas imagens na mente, que vem toda uma utopia carioca que me conforta imediatamente: o mar quebrando na madrugada, uns poucos faróis de automoveis,uma moleza preguiçosa e tao carioca, a roupa confortavel de ficar em casa, a certeza da manha seguinte caminhando pela praia, vendo pessoas e mais uma vez sentindo a maresia....isso tudo resume o porque de eu amar tanto esse bairro mesmo sem ter vivido (ainda) ali.Esteja onde eu estiver, o Leblon é meu porto seguro imaginario, meu calmante, uma especie de refugio que só projeta na mente quem tem a capacidade de "sentir" o sabor de cada lugar.Isso me resume em tudo o que amo no Rio. Chico deve ter "sentido" o mesmo da sua varanda....se até eu pude sentir!

Nessas noites Londrinas e, em breve, tambem Californianas, sempre haverá a varanda da Delfim Moreira com vista lateral para as luzes do dois irmaos e do vidigal. Tudo o que o Rio representa esta, para mim, resumido e misturado em  ipanema e  Leblon.